Ah, garotas!

agosto 12, 2008 at 4:44 pm (Uncategorized)

O que raios uma mulher que fazer no mercado de jogos?!

Calma! É que terminei de ler o texto da Benda Brathwaite no Game Carrer Guide e achei bem legal a abordagem que ela fez. Ela questionou homens sobre como é “ser um homem no mercado de games”. Sim, é ridícula a pergunta. E é esse o ponto.

When people take a low shot at someone for their gender, their race, their sexuality, or anything else that defines them, it’s the asshole that’s the problem, not the gender or the industry or anything else.

Brenda Brathwaite

Trabalhei e trabalho com mulheres fantásticas, inteligentes e dedicadas. Algumas inclusive são modelos de profissionalismo, paciência e perserverança para mim. Outras me ensinaram a corrigir falhas interpessoais ao trabalhar em equipe, já que é o universo feminino é tão sensível quanto retaliador.

Ainda no texto, a Brenda relata o seguinte:

Jeff (McNab) tells me about how it’s important to have diverse teams so that your diverse projects will attract a more diverse audience. He talks about how important it is for him as a man in games to consider experiences beyond his own.

Sim, é verdade. Também gosto de ter outros pontos de vista atuando sobre um projeto. Dessa forma, os detalhes são vistos por diferentes ângulos, o que colabora para o enriquecimento do trabalho final. Mas e aquela conversa sobre “sutileza”, “sensibilidade”, etc?

É realmente um diferencial ter uma mulher na equipe? Ou o ponto é que não há diferencial algum?

Poxa vida, vejamos o próprio Shigeru Miyamoto e a sensibilidade que ele tem pra gerar conceitos de jogos. Uma mulher faria melhor ou pior? Realmente, não importa, certo? O que deve ser levado em conta é a genialidade na hora de colocar em prática uma boa idéia.

Agora, pensando nisso, qual o lance de se dedicar 30% das vagas só para mulheres? Isso não é tão estranho como o sistema de cotas para negros nas universidades? Uma espécie de “preconceito ao contrário”?

Adoro garotas e também adoro trabalhar com elas. Vez ou outra tomo um patada num dia ruim, mas acontece. Sem falar que é super divertido presenciar momentos Totally Spies. Mas prefiro levantar a bandeira da igualdade invés da diferenciação.

Anúncios

Link permanente Deixe um comentário

SBGames 2008?

agosto 8, 2008 at 2:50 pm (Uncategorized)

Essa semana fui ao Universo Games 2008 para assistir a mesa redonda “O Mercado de Jogos Casuais no Brasil”. Houveram outras, mas essa em específico me chamou a atenção. Como eu havia lido recentemente o texto Birdmen and the Casual Fallacy do Sean Malstrom, as idéias ainda estão latejando em minha cabeça e eu queria avaliar quantos birdmen estariam no evento. Sem falar que é mania minha conhecer pessoas novas da indústria de jogos e rever os velhos conhecidos.

Imitation is suicide, and mimicry is the masking of the talent-less.

– Sean Malstrom

Logo que cheguei, encontrei o Roger Tavares do GameCultura. Ele foi meu professor na época que eu tentei fazer a Pós de Games lá do SENAC Lapa/Tito. Indivíduo genial, diga-se de passagem. Aí colocando a conversa em dia, conversamos sobre o SBGames que vai acontecer em Belo Horizonte esse ano. Ele soltou em off que talvez o prazo de submissão de trabalhos fosse adiado. Ele acabaria agora dia 11 de Agosto, mas pela notícia lançada no site do evento hoje, pulou para dia 18.

Poxa, claro que eu me animei. Nunca fui em um SBGames, e é como se fosse a nossa Developer’s Game Conference. Agora estou empolgado para relatar algo que eu produzi, analisei ou estudei durante esses anos. Cases interessantes não faltarão: só lá na Microways tivemos várias ações sobre Advergames, o concurso da Telemig, o próprio sistema de produção… é, acho que vou mesmo preparar algo.

Ah, e sobre a mesa-redonda. Não é que é verdade? As pessoas ainda tentam bater asas invés de entender como os pássaros voam. Não importa o tamanho da empresa, eles têm uma visão própria do mercado que é a real pra eles. E divulgam isso como se fosse a mesma realidade dos outros. É como se eu estivesse vendo eles bradarem “Eu consegui voar assim. Nem tentem de outras formas, porque não vai dar certo”. E claro, sempre metem o pau nos Advergames por causa disso.

Bom, depois eu posto algo sobre o material que vou preparar pro SBGames.

Link permanente 2 Comentários

Make it simple!

agosto 5, 2008 at 6:22 pm (Game Design)

Why do we play? Why did we start playing in the first place? Because it’s easy to use.

Então… essa frase foi dita por uma mãe que não é jogadora. Que tal?

Quando eu penso nas minhas idéias de jogos, nos meus concepts e viagens, é esse tipo de pessoa que eu quero agradar. Não tenho vontade de fazer um God of War da vida, um Bioshock. Seria supimpa estar num projeto gigante como esses, mas prefiro arrancar um sorriso de um casual do que de um hardcore.

E poxa, simplicidade é a chave. Na universidade, sempre escutava “Menos é mais”. Até hoje, grandes profissionais aplicam isso em seus trabalhos. Megaman 9 mesmo foi uma bela lição pra um time que estava acostumado com hardwares, software e jogadores de ponta.

“Make it simple. Bring it back to the basics.” – Keiji Inafune

Tudo bem, ele se referia ao projeto revisitar Megaman 1 e 2. Mas, olhando para a Amy Addison e o seu relato, não é uma bela lição?

Link permanente Deixe um comentário

Então, né?

agosto 5, 2008 at 2:02 pm (Avisos)

E assim começa

Oi! o/

Depois de muito, muito tempo, finalmente dei o passo inicial para o meu blog. Demorou tanto porque eu não queria algo muito aleatório ou técnico e específico demais. Games deveriam ser a essência, mas sem deixar desenvolvimento, cultura, mercado e diversão de lado. And damn, my own art!! E daí brotou o Pixel N.

Ok, então vou pegar leve comigo mesmo e ir devagar e com jeitinho! Não quero e não vou copiar notícias e artigos de outros sites, mas vou usá-los para criar os meus posts. Às vezes para o bem, às vezes para dar risada, e algumas outras só pra cutucar. Nunca fui blogueiro, e acho que nem vou ser. Por isso estava com receio de começar mais um site que será sepultado na internet. Será? Não sei ainda… vamos ver!

Por enquanto é isso. Espero que esse seja o primeiro passo de uma caminhada que, se não for longa, pelo menos dê alguns frutos.

Ah sim… vou ilustrar cada um! Desculpa esfarrapada pra fazer desenho rápido e bobo tipo aquele ali em cima 😉

Link permanente 1 Comentário